terça-feira, 8 de maio de 2012

TERTÚLIAS CAPITAIS - BRAGA

POIS É AMIGOS, FUI CONVIDADO A PARTICIPAR NUMA DESTAS TERULIAS! E QUE BEM QUE ME VAI SABER ESTAR COM DOIS AMIGOS E UM JOVEM QUE TEM DADO TANTO QUE FALAR NO PAÍS, NA FNAC, EM BRAGA A DEBATER UMA TEMÁTICA QUE ME É TÃO QUERIDA, O HUMOR!

quarta-feira, 2 de maio de 2012

De Janeiro a Janeiro, esta crise o ano inteiro!

Pensei muito sobre se haveria de escrever algo sobre o que aconteceu ontem relativamente o Pingo Doce ou não. No entanto, tenho uma opinião sobre o assunto! Não é um tratado, não é uma tese, é uma opinião. 1 - o que é que me irritou mais: o espetáculo televisivo degradante em torno do ocorrido, ou dois meses de lavagem cerebral com aquela aberração musical do "Pingo Doce de Janeiro a Janeiro..."? 2 - Tratou-se de mais uma machadada do capitalismo sobre o ostracizado e sodomizado povo que caiu, uma vez mais, na esparrela dos "grandes" que com isto rebentaram com o DIA DO TRABALHADOR? Bem... como não sou nada dado a "extremismos" não subscrevo, de todo, nada do que escrevia até agora! Creio, em primeiro lugar que foi uma magnífica manobra de publicidade. Com efeito, o PD, marcou a agenda política Nacional no dia de ontem! Quem não assistiu ao desespero dos canais de televisão portugueses com equipas de reportagem em peso nestas superfícies comerciais a degladiarem-se por uma notícia, comentário, acontecimento, "What ever", de forma mais aguerrida que os consumidores que lutavam por víveres no interior dos supermercados?! Ontem a LUTA não se fez na rua, não se fez nas manifestações. Fez-se nos hipermercados de uma única marca! "O Povo saiu à rua num dia assim"... para ir às compras! Eu não fui ao PD, mas confesso que estive tentado! Tenho uma fobia enorme a grandes confusões, a grandes e intermináveis esperas, aliás, foi isso que me impediu de lá ir. Do meu terraço vejo um dos dois Pingo Doce do meu concelho e vi centenas de carros estacionados em todas as ruas, ruelas, avenidas, passeios e matos das redondezas do mesmo! Para o POVO que nada liga a política neste momento, que odeia visceralmente os políticos de todos os quadrantes, que se sente cada vez mais... com menos dinheiro no bolso, esta é uma OPORTUNIDADE, ou não? Para os que não têm dinheiro, os 50% de desconto obtidos ontem, de imediato, muito provavelmente garantiram, não só, uma despensa mais recheada para o mês de Maio, mas acima de tudo, também, o montante necessário (com o desconto) para pagarem a factura da água, gás e televisão! Isto faz diferença no orçamento familiar. E quanto a uma coisa que ninguém deu muita importância: terá o Povo tido "cabecinha" e aproveitado esta "golpada" para comprar apenas aquilo que lhe faz falta, que é necessário? É que vi imagens de muita gente carregada com carros de Coca Cola, bebidas energéticas, comprimidos de emagrecimento/dieta, enfim... Lamento que o meu povo esteja a sofrer tanto com a falta de dinheiro. Não deixo de ter responsabilidades políticas e de sentir que tenho muito a fazer, muito a melhorar, muito a trabalhar para que não seja mais um, apenas mais um no rol dos que são TÃO MAUS, mesmo correndo o risco de estar numa missão impossível e de um dia poder ter de desistir. Lamento que se centre esta questão num debate "capitalismo versus comunismo". Lamento profundamente que a nossa televisão faça disto um Show-off deprimente. Eu hoje irei ao Pingo doce, não porque é mais barato ou melhor, mas porque estarei a trabalhar até tarde e é o que fica mais próximo de minha casa, fica a caminho, a uns 300 metros de onde vivo. Vou lá como vou a qualquer um dos outros seus concorrentes. Vou lá com o mesmo à-vontade com que vou à mercearia da "Ti Celeste" mesmo em frente a minha casa. A meu ver, a culpa é de todos! da política nacional dos últimos 38 anos, de Governos irresponsáveis e ineficazes, de oposições muito fracas, cada vez menos mobilizadoras, com mesnagens ultrapassadas e caducas, de uma sociedade com demasiadas habilitações e pouquissima formação cívica ou educação, de uma nação que se engama e viola a si própria permanentemente nas últimas décadas. É uma pena que assim seja, mas é o que entendo que acontece. Tenho dito.